Sindi comemora 2018 de ouro


A força do mercado do Sindi A raça fecha o ano com a oferta de aproximadamente 1.200 animais em 18 eventos comerciais. O diretor da Connect Leilões, Silvestre Marinho do Carmo, conta que a leiloeira comercializou em 2.018 cerca de 500 animais. Em cada evento a média é de 5 novos criadores e os preços praticados são animadores. A melhor média para touros a campo, por exemplo, foi registrada no evento da ExpoGenética. Os valores chegaram a R$ 12 mil por animal. “É uma raça cheia de vantagens e qualidades. A procura é muito grande. Os clientes querem saber da eficiência, do rendimento, da versatilidade do gado para cruzamento. Isso não é tendência, o Sindi está consolidado”, explica Silvestre. O criador Ângelo Mario de Souza Prata Tibery, com vasta experiência na raça Nelore, realizou o primeiro leilão do Sindi OT em Três Lagoas, MS, no mês de agosto. Com lotes comerciais de Sindinel até prenhezes de doadoras como a Grande Campeã da ExpoZebu, Campina FIV OT o remate teve liquidez total. “É uma raça em ascensão e eu não tenho dúvida de que entrou no mercado para ficar. O Sindi continua ganhando espaço pelo potencial nos cruzamentos industriais com outras raças zebuínas e europeias. Ainda tem o diferencial da dupla aptidão, com um trabalho forte para produção do leite A2, que pode ser consumido por pessoa alérgicas e intolerantes”, explica Angelo. Um dos maiores vendedores da raça Sindi é o criador Adaldio José de Castilho de Novo Horizonte, SP. O veterano dos leilões da raça pontua alguns fatores que contribuem para o momento de alta. “A pecuária já entendeu as vantagens do Sindi no corte e cada vez mais são valorizados os animais com boa produção leiteira. A identificação de touros A2 é uma questão que tem despertado muito interesse de pecuaristas do Brasil e de outros países. O estado de São Paulo já liberou o registro do produto. Acredito em uma evolução consistente com o Sindi e o Sindolando que são uma alternativa para a cadeia leiteira e um trunfo para pequenos e médios produtores”, pontua o criador. O presidente da ABCSindi, Ronaldo Andrade Bichuette, fala com entusiasmo do sucesso comercial da raça. “Analisando valores e volume de venda nos leilões, eu vejo que o Sindi supera a estabilidade. Isso é fruto de trabalho duro dos criadores, bem como da dedicação de institutos de pesquisa, para gerar dados científicos e estudar a raça em todo seu potencial. Podemos comemorar sim, mas sem perder o foco. Precisamos da filiação de todos os criadores de Sindi para nosso fortalecimento. Assim poderemos corresponder com mais eficiência aos desafios contínuos de manter o melhoramento genético do rebanho, aumentar a população da raça e contribuir para a produção sustentável de alimentos”, conclui Bichuette.


PNAT tem doses gratuitas do Feitiço para rebanho colaboradores

Os rebanhos colaboradores do PNAT podem solicitar as doses do Touro Feitiço da Porangaba, eleito na bateria de 2019, para a ABCZ até ...

ABCSindi apoia o PNAT da ABCZ

A ABCSindi convoca criadores para o PNAT 2020 A Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) mantém em seu site a lista de ...

Estudo com a raça Sindi destacado em publicação científica australiana

O grupo de pesquisa em Genética e Melhoramento Animal da Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal da Bahia ...

Sindi Porangaba doutrina no virtual

A grande capacidade de reorganização dos promotores do shopping e do leilão anual da Fazenda Porangaba manteve o interesse do públi...

Canceladas atividades na ExpoZebu

COMUNICADO A Associação Brasileira de Criadores de Sindi (ABCSindi), em conjunto com sua Assessoria Técnica, deliberou pelo adia...

Semana Sindi Porangaba está a todo vapor

Até o dia 20 de Março - 2° Shopping Sindi Porangaba segue com a possibilidade de confirmação de lotes no site www.connectleiloes.c...

NOSSOS PARCEIROS