Autor: Márcia Benevenuto
 
O Sindi, uma das raças mais antigas do mundo, se mantém atual e essencial para a pecuária produtiva pela alta rusticidade e adaptação plena em ambientes desafiadores. A ExpoZebu 2018 deu mais uma prova da evolução e da expansão do rebanho vermelho  
 
As características zootécnicas e funcionais superiores são os motivos que mais despertam o interesse dos pecuaristas que produzem carne, leite ou genética. 
Na ExpoZebu a raça contou com a participação de cerca de 200 animais e pelo terceiro ano consecutivo é terceira com maior representatividade. Além do julgamento de morfologia, o gado trazido para Uberaba foi apresentado pelos criadores em leilões, ações de divulgação em Centrais e Dias de Campo. Os selecionadores também participaram com entusiasmo da Vitrine do Leite, Concurso Leiteiro de Fazenda, e do Torneio Leiteiro da ExpoZebu – que este ano contou com a participação inédita de novilhas Sindolando. “A raça Sindi vai muito bem em qualquer tipo de cruzamento. Nos CCG temos uma sensível evolução nos plantéis Sindonel, Singer, Sindi X Gir X Nelore, Sindi X Brahman e Sindolando. Os bezerros dessas vacas têm mais valorização no mercado e se o produtor souber escolher e usar nelas um touro provado na produção de leite o volume se mantém bastante satisfatório, ainda há a vantagem de ter vacas que muito provavelmente serão positivas para o A2”, explica o diretor secretário da ABCSindi, Arthur Abdon Targino. O criador Adaldio José Castilho, vice-presidente da Associação, ficou satisfeito com a premiação da matriz Sindi AJCF 257 Damaris (média de 23,14 kg) e da Sindolando Arte FIV da Estiva (média 37,87kg). “Os grandes campeonatos e reservados coroam um trabalho que vem de muitos anos e tem exigido muita persistência para acreditar no potencial econômico da produção leiteira com Sindi e Sindolando”, afirmou Adaldio que também vibrou com o título de Matriz Modelo da vaca Branca FIV AJCF. Outros selecionadores que acreditam no potencial leiteiro da raça participaram da Praça do Queijo. Gilberto Browne, do Sindi Rajasthan do Rio de Janeiro e Eduardo Henrique Magalhães Oliveira, selecionador da Fazenda Asa Branca, do Distrito Federal promoveram degustações e comercializaram produtos junto aos visitantes. As peças de queijo curado e frescal, queijo fundido, bem como o doce de leite do Planalto Central tinham o diferencial de serem exclusivamente A2. Com o rebanho 100% genotipado o criador tem evoluído na fabricação dos lácteos recebendo premiações internacionais e sendo objeto de muito interesse de pesquisadores e da imprensa segmentada.
No Recinto de Avaliações das Raças Zebuínas a maior expectativa da família sindirista foi pelo anúncio dos Grandes Campeões de 2018. O favoritismo confirmou a concessão do título máximo para os já multipremiados Campina FIV OT, do espólio de Orestes Prata Tibery Junior entre as fêmeas e Guerreiro AJCF, de Adaldio Castilho que, emocionado, elogiou o animal “É o melhor touro que já surgiu na nossa criação em 80 anos”.
O maio dos zebuínos também reuniu uma boa oferta de genética em dois leilões especiais que tiveram 100% de liquidez. O 8º Essência da Raça Sindi, no dia 1º, comercializou 45 lotes e faturou R$ 1,217 milhão de reais e o virtual Reserva Sindi da Bom Jesus, realizado no dia 10, disponibilizou ao mercado 72 animais a campo para registrar R$ 592 mil. O próximo evento oficial do calendário da ABCSindi é o leilão Sindi OT, de Angelo Tibery e convidados, no dia 16 de agosto, 21h. “O leilão é virtual, mas teremos um ponto de apoio, no Hotel Taj, em Três Lagoas, MS, para os amigos e convidados que quiserem acompanhar junto com a gente. E estamos organizando a apresentação dos animais em um Dia de Campo”, diz o criador Angelo Tibery.
O presidente da ABCSindi e vice-presidente da ABCZ, Ronaldo Bichuette, explica que o sucesso do Sindi se deve aos seus variados talentos. “O Sindi se defende. É uma raça pouco exigente e que dá resultado na fazenda. Na pecuária de seleção ou nas atividades de cruzamento, com gado leiteiro ou de corte. As características dos animais também contribuem muito para as questões econômicas pelos diferenciais relacionados com sanidade, produtividade, fertilidade, rusticidade e eficiência, com adaptação e talentos que favorecem a sustentabilidade ambiental inclusive”, conta o presidente.
1º Encontro Internacional da Raça Sindi

O evento lançado na ExpoZebu será realizado entre os dias 12 e 21 de outubro em Natal, no Rio Grande do Norte, durante a 56ª Festa do Boi. A organização está sob comando do diretor de Marketing da ABCSindi e presidente do Núcleo de Criadores de Sindi do Rio Grande do Norte, Ricardo Altévio, conhecido como “Careca”. A comissão organizadora do Encontro Internacional esteve com diretores e o presidente da ABCZ que empenharam apoio ao evento. “Nosso objetivo é reunir criadores, técnicos e especialistas de diversos países para provocar uma grande discussão sobre as tendências de crescimento da raça em nível global. Vamos divulgar pesquisas sobre a raça, tanto as relacionadas com a pecuária de corte – como abates técnicos e outros testes de desempenho e qualidade – bem como os estudos sobre o potencial do Sindi na produção de lácteos. O Nordeste é um palco ideal para mostrar o poder de adaptação do rebanho vermelho, que responde muito bem quando tem alimento disponível, mas principalmente, consegue se manter produtivo sob condições de restrição de nutrientes com o acontece na região do Semi-Árido”, destaca Careca.